Artigos

30/01/2018

Bitcoin e os riscos eminentes da moeda digital

Há mais de um ano venho estudando os aspectos econômicos e jurídicos do Bitcoin (moeda digital baseada no sistema econômico alternativo e não no sistema bancário formal mundial).

Tenho lido textos, conversado com amigos e especialistas na área econômica, advogados especializados no direito da internet e frequentado palestras sobre segurança de dados.

Confesso que interessei-me pelo assunto por diversos motivos:

Para observar o crescimento ou não da moeda, como futura investidora (objetivo que abandonei). Como ser humano curioso que sou, decidi conhecer os prós e contras e qual será a conclusão desta criação inédita no mundo, como advogada com a intenção de apoiar clientes, empresários e empresas nos aspectos jurídicos que envolvem a matéria. Para estar atenta, como empresária, aos riscos tecnológicos que circundam o mercado do Bitcoin e colocam em risco os dados de 100% da população mundial

Na última sexta-feira (26), participamos do “salvamento” para evitar uma tentativa criminosa tendo como alvo nossos servidores. Máquinas programadas para as compras de Bitcoin tentaram usar o poder de processamento de ditos servidores, para garimpar Bitcoin e angariar maiores lucros.

Teoricamente, esse tipo de “furto” de capacidade de processamento não gera sequestro de dados (com o objetivo criminoso nesse mercado paralelo de chantagear a vítima e somente liberar seus dados, mediante pagamento em Bitcoin). Todavia, deixa os dados a mercê de quem habita com má-fé o universo paralelo dos Bitcoins, -além de prejudicar a capacidade de processamento do servidor.

Ao que parece, nem todos que o habitam usam de má-fé, mas ainda nos consideramos observadores desta realidade, a fim de chegar a conclusões definitivas.

Os servidores alvo da tentativa de “furto” não foram efetivamente atingidos, pois havia mecanismos de segurança além do padrão que comumente se vê nas empresas.

O susto passou, mas o risco é realidade que chega a todas as empresas e cidadãos comuns.

Ninguém está imune.

A vacina é compartilhar com todos quando os fatos ocorrerem para que possam revisar e tomar suas precauções internas, assim como se atualizarem sobre o assunto.

Fica registrada aqui nossa contribuição.

Quem tiver cases para acrescentar, será bem vindo.

Izabela Rücker Curi Bertoncello

Compartilhe:


VOLTAR

Clique no sino ao lado e receba pushs com notícias jurídicas em seu Desktop e Mobile Android.