Artigos

04/03/2019

Dicas para evitar o golpe da troca de cartão

Aglomerações são um verdadeiro convite para que quadrilhas especializadas no golpe da troca de cartão entrem em ação. Uma vez que o consumidor é lesado, a dor de cabeça para reverter o dano é grande.

De acordo com a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), esse tipo de golpe é comum em locais onde há uma concentração maior de pessoas num mesmo espaço. No momento da compra, ao apresentar a maquininha para pagamento, os golpistas utilizam truques para desviar a atenção do consumidor que, por descuido, acaba digitando a senha no campo referente ao valor da compra. Assim, com essa informação em mãos, os criminosos substituem o cartão original por outro do mesmo banco, mas totalmente falso, entregando-o ao comprador.

Para evitar esse tipo de transtorno, compartilhamos neste post algumas dicas da própria Febraban para que os consumidores fiquem atentos e saibam como se proteger deste golpe:

  • Nunca empreste ou entregue o seu cartão para ninguém e nunca o perca de vista. Pode haver a troca do cartão sem que você perceba;
  • Nunca guarde a senha junto com o cartão. Isso reduz o risco em casos de perda ou roubo.
  • Em caso de roubo, perda ou extravio do seu cartão, ligue imediatamente à Central de Atendimento do seu banco e solicite o cancelamento do cartão. Em caso de roubo, registre um B.O. em uma delegacia mais próxima;
  • Tome cuidado com esbarrões ou encontros acidentais que possam levar a perder de vista, temporariamente, o seu cartão magnético. Se isso ocorrer, verifique se o cartão que está em seu poder é realmente o seu. Em caso negativo, ligue imediatamente para o banco e solicite o cancelamento do cartão;
  • Ao efetuar pagamentos com seu cartão, não deixe que ele fique longe do seu controle e tome cuidado para que ninguém observe a digitação da sua senha;
  • Solicite sempre a via do comprovante de venda e confira o valor impresso da compra;
  • Cadastre-se para receber avisos por SMS ou e-mail a cada transação realizada com seu cartão, aumentando, assim, a chance de identificar uma transação fraudulenta;
  • Nenhum banco envia alguém  até a sua residência para retirar um cartão de débito ou crédito;
  • Quando for destruir um cartão, corte o chip ao meio. Mesmo com o plástico cortado, é possível fazer transações se o chip estiver intacto.

Fonte das informações: Federação Brasileira dos Bancos (Febraban)

Compartilhe:


VOLTAR

Clique no sino ao lado e receba pushs com notícias jurídicas em seu Desktop e Mobile Android.